1
2
3
4
5
6
7
8
9

palestrantes

giulio iacchetti Giulio Iacchetti Desde sempre é um atencioso caçador de talentos emergentes no mundo do design e um coordenador entusiasmado de projetos mirados. Entre eles Eureka Coop com o qual em 2006 levou o design para a grande distribuição organizada (Coop) e caracterizando a nova geração do design italiano e "tra Martello e Includine" (entre o Martelo e a Foice), um workshop sobre o ferro batido que em 2011 deu vida a uma pequena mostra de objetos na Trienal de Milão. Giulio Iachetti é um projetista eclético com uma ampla produção nas costas, mais de 100 projetos industriais entre cadeiras, facas, vasos, lâmpadas, torneiras, copos e até biscoitos. Intuição, pesquisa, capacidade de experimentas e inovar são os dotes que Giulio Iacchetti levará ao Festival dell’Economia Creativa - ITALIA S/A e ao interno da mostra "Design nel Pallone" ("Design da Bola") por ele curada, junto com Francesca Molteni. Uma mostra inspirada a um dos denominadores comuns que une tradicionalmente Itália e Brasil: o futebol. Giulio Iaccheti e Francesca Molteni guiarão onze jovens designer italianos chamados a reinterpretar outras bolas de futebol para colher e demonstrar a essência do modo de projetar italiano.
Industrial designer desde 1992, Giulio Iacchetti projeta para várias marcas entre as quais Abet Laminati, Alessi, Danese, Elica, Foscarini, Globo Ceramiche, Jannelli&Volpi, Hastens, Magis, Meritalia, Moleskine, Pandora design. Entre as suas características distintivas existe a pesquisa e a definição de nosos tipos de objetos como o Moscardino, talher multiuso biodegradável, desenhada com Matteo Ragni para Pandora design e premiada em 2001 com o Compasso d'Oro e hoje faz parte de uma coleção permanente de Design do MoMa de New York. Em maio de 2009 a Trienal de Milão hospedou uma mostra pessoal intitulada "Giulio Iacchetti. Oggetti disobbedienti". Desde sempre atencioso com a evolução da relação entre realidade artesã e design, em novembro de 2012 lança Internoitaliano, a "fábrica difundida" feita de tantos laboratórios artesanais com os quais assina e produz decorações e complementos inspirados no fazer e no modo de morar dos italianos.

Giorgio Giuseppe Ferone Arquiteto, Diretor Geral de Ideiafactory ltda. Responsável do setor projeto do estúdio ideiafactory São Paulo. Proprietário de um homônimo estúdio de arquitetura em Florença. Formou-se na Universidade de Firenze como arquiteto, com cursos de aperfeiçoamento no Politécnico de Birmingham e no Politécnico de Barcelona, continuou os estudos da forma e da matéria por seis meses do estúdio de escultura de Hermann Maier e por outros seis meses no ateliê de marcenaria Tabula Rasa. Trabalha há 10 anos na Itália com intervenções arquitetônicas para atividades comerciais e residenciais, com grande inclinação para o design de internos site-specific contanto com mestres artesão e reinterpretando mecânica e técnicas antigas em móveis contemporâneos, muitas vezes transformáveis. Trabalha no Brasil há 4 anos em intervenções produtivas e comerciais, além de projetar móveis dinâmicos. Trabalha na África há 3 anos para a construção de um Ecoresort totalmente sustentável. Proprietário de duas patentes sobre estruturas efêmeras de multimídia com função social. Também possui experiência em direção artística em eventos de cultura e de arte tanto por conta da iniciativa privada quanto da pública. Representante oficial da Ordem dos arquitetos de Florença em São Paulo para criar uma ponte profissional entre as duas instituições. Acredita piamente que o trabalho deve ser organizado com base na colaboração profissional e na democracia de ideias. Possui inúmeras publicações tanto como fotógrafo quanto como arquiteto.

Francesca Molteni Contar a criatividade e o caráter extraordinário do design italiano através da criatividade. Não é só um jogo de palavras, mas a missão de Francesca Molteni, diretora de excelência que cresceu respirando o gosto pela criatividade, pelo belo e pelo bem feito italianos que, com habilidade, os transferiu no seu percurso profissional. Graduada em Filosofia Teórica na Universidade de Milão, com especialização em Film Production, na New York University, em 2009, Francesca Molteni fundou o "Muse Factory of Projects", empresa que acompanha o desenvolvimento dos projetos editoriais e multimídias, vídeos, vídeo instalações, eventos e sites, nos quais soube adaptar a sua experiência na área de design para contar o próprio design de uma forma espetacular. O design, portanto, se transforma em arte, o palco se torna um meio para expor as produções dos maiores designers contemporâneos. Exemplos dessas são "Design Dance", o espetáculo premiado encenado no Teatro da Arte na Triennale de Milão, durante o Salão de Móveis, em 2012; "Um mar de estrelas", uma vídeo instalação no Planetário de Milão, projetada para relacionar criatividade, cultura e empresa, no Salão de Móveis, em 2010; e "Postcards from Italy", apresentada em Moscou, em 2009. Com "Muse" também participou na concepção e produção de formatos de televisão, documentários, vídeos institucionais, catálogos, livros, festivais e eventos, além de realização de produtos editoriais e vídeos. Durante seus anos de experiência, Francesca Molteni trabalhou com importantes autores e programas da rede de televisão Rai na idealização e direção de projetos de comunicação da arte e do design; acompanhou o lançamento e a produção da plataforma on-line www.ultrafragola.com, a primeira web tv dedicada ao design; lecionou design e novas mídias e colaborou com jornais e revistas.

Flavio Albanese "O que caracteriza uma arquitetura contemporânea? A capacidade de estabelecer conexões entre aquilo que acontece hoje, aquilo que aconteceu no passado e aquilo que acontecerá amanhã, uma arquitetura que atua como um espaço mediador de um diálogo com tudo: o ambiente, a natureza, os outros edifícios, os objetos e os sujeitos presentes no mundo." (prefácio de "Estado de necessidade – a urgência de projetar amanhã"). Arquiteto autodidata, designer, colecionador e curador de arte contemporânea, Flavio Albanese se profissionalizou através de uma formação alheia aos percursos acadêmicos. No Festival Economia Criativa, Albanese intervém para apresentar "uma arquitetura que procura a subtração, a leveza, a recuperação, a substância. Uma arquitetura que faz “corpo” com o mundo, que se incorpora com ele como elemento de uma sequência, num tom menor".
Nascido em Vicenza, Flavio Albanese é um viajante e descobridor do mundo, além de exportador do "bem feito" made-in-Italy. Durante a sua carreira profissional, lecionou aulas e conferências no Iuav Venezia, na École polytechnique fédérale di Lausanne, no Instituto de Arte de Chicago, na Yale University, na Delft Universitye e, finalmente, na Universidade de Flórida. Foi membro do comitê científico da Domus Academy, do comitê de honra de MIart e também coordenador da Officina del Porto de Palermo. De 2007 a 2010, foi diretor de Domus, a renomada revista internacional de arquitetura, design e arte contemporânea. Em 1987, fundou o estúdio de arquitetura ASA Studioalbanese, com sede em Vicenza, Milão e, posteriormente, em Berlim. O estúdio foi mencionado na edição de 2003 de Mies Van der Rohe Award pelo projeto Neores; e, em 2004 e em 2006, foi convidado à Bienal de Arquitetura de Veneza. Flavio Albanese é atualmente presidente da Fundação Municipal de Teatro de Vicenza e vice-presidente do CISA (Centro Internacional de Estudos de Arquitetura A. Palladio).

Marcio Kogan Marcio Kogan, arquiteto paulista de fama internacional, formado na Universidade Prespiteriana Mackenzie, participa do Festival da Economia Criativa - ITALIA S/A para discutir o valor que a criatividade cultural é capaz de agregar. Cultura, inovação, criatividade podem produzir valor? Com mais de 200 prêmios nacionais e internacionais recebidos desde o início dos anos oitenta, quando decidiu dedicar-se à arquitetura e fundar seu próprio estúdio MK27, a carreira de Marcio Kogan começa realmente a partir do mundo da indústria cinematográfica. Com Isay Weinfeld dirigiu 13 curtas-metragens além do longa Fogo e Paixão.
"A minha influência vem de todos os lados e não necessariamente do mundo arquitetônico. Ingmar Bergman mudou a minha vida aos 17 anos depois de assistir ao filme "O Silêncio", onde vi projetado numa simples tela minha solidão e angústias. Ao sair do cinema minha vida passou a ser colorida. Aprendi com isso a importância da formação multidisciplinar. Nunca me baseie no trabalho de algum arquiteto. Cinema, arte, literatura, dança, política são a base dos meus projetos". Segundo Marcio Kogan, muitas coisas do cinema são levadas para a arquitetura, desde as proporções widescreen ao simples enquadramento de uma paisagem, vista através do viewfinder da câmara, até a super importância da luz. A própria casa pode ser considerada um roteiro: tem começo, meio e fim.
O estúdio MK27 é hoje composto por 27 integrantes, além de colaboradores em vários países do mundo. Entre os prêmios internacionais recebidos nesses anos, o estúdio MK27 foi escolhido para representar o Brasil na última Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2012. Em 2010, Marcio Kogan recebeu o título de membro honorário do AIA, American Institute of Architects e foi considerado pelas revistas Wallpaper e Época uma das 100 pessoas mais influentes. Kogan é um defensor da co-criação: o envolvimento de toda a equipe de arquitetos na fase de criação do conceito do projeto e este será um dos temas abordados durante seu depoimento. Além da pesquisa de novas linguagens para a apresentação dos projetos e o relato de um projeto particular desenvolvido de acordo com os materiais existentes no canteiro de obra e a experiência dos trabalhadores.

Cristiana Colli Formada em Ciências Políticas - monografia experimental em Relações Industriais - na Universidade de Bolonha, desde sempre trabalha como consultora. Cura a idealização e a organização de projetos sociais e culturais, eventos, mostras, festivais e iniciativas de valorização do patrimônio artístico nacionais; para instituições públicas e privadas, museus, empresas, ordens profissionais, feiras, fundações, realiza e promove estratégias de comunicação ligadas à paisagem, à arquitetura, à arte contemporânea e ao design. Jornalista publicitária desde 85 colabora com jornais e revistas de arte, comunicação, pesquisa sócio-econômica. Ocupa-se de iluminação expositiva para museus e grandes mostras, de projetos ligados à luz urbana e de obras de arte contemporânea com a luz. Sob confiança da Superintendência especial para o Pólo de Museus Napolitanos idealizou e cuidou em 2008 do projeto de encomenda a artistas internacionais para Capodimonte 50 Site Specific por ocasião das celebrações dos 50 anos da reabertura do Museu. Durante quinze anos curou as atividades editoriais, as relações institucionais e culturais da revistas Progetti AN- Architettura Restauro e Design hoje transformada em Mappe da qual assina a direção.
Desde 2011 é idealizadora e curadora do projeto DEMANIO MARITTIMO.KM-278 promovido pela revista e por uma ampla coalizão territorial e nacional, e desde 2013 é Presidente da homônima associação cultural. Colaborou durante anos com a União das Comunidades Hebraicas Italianas e com a Comunidade Hebraica de Ancona para as quais curou projetos nacionais: Zachor-Ricorda (Senigallia, 1999), Jornada Europeia da Cultura Hebraica-Ancona cidade italiana carro-chefe; Negba Festival da Cultura Hebraica (Puglia, 2009). No lado da pesquisa social e econômica, as novas formas de comunidade e de governance, o novo made-in-Italy e a representação, desde 2003 colabora com o Consórcio A.Aster e desde 2007 com Symbola-Fondazione para as Qualidades Italianas. Para a dimensão de projetos e organização, adiciona sempre uma componente profissional mais teórica e cognoscitiva que possui a capacidade de estudar e analisar o território e as suas transformações, e a colaborar com outras realidades italianas - públicas e privadas - mais interessantes e inovadoras. Ao Festival dell’Economia Creativa – ITALIA S/A Cristiana Colli levará a sua experiência de pesquisadora sócio-econômica, analisando como os processos culturais sejam um fator essencial de agregação e um multiplicador para a construção do valor.

Aldo Cibic Um dos mais célebres designers italianos no âmbito internacional, que vê nos mercados estrangeiros um importante futuro para o desenvolvimento do design made-in-Italy, Aldo Cibic, nascido em Schio, província de Vicenza, escolheu ser protagonista do Festival da Economia Criativa – ITALIA S/A como testemunha da capacidade toda italiana de contar com simplicidade a estética e a poética das coisas.
Aldo Cibic acredita nas idéias que, como sementes, são para cultivar, desenvolver para gerar projetos capazes de melhorar a nós mesmos e àqueles que nos rodeiam. Acredita na curiosidade, que nos faz olhar com atenção o cotidiano e a pensar de forma projetual: "tantas coisas que nos cercam são estímulos para pensar sobre o projeto. Torna-se essencial cultivar a capacidade de avaliar a realidade e de sentir-se um pesquisador".
Aldo Cibic é graduado em Milão, pátria do design, na escola de Ettore Sottsass, um dos maiores arquitetos e designers italianos do século XX, de quem se torna sócio; em 1989, decide de iniciar um percurso profissional próprio, fundando o estúdio Cibic&Partners e dando vida à atividade de pesquisa com escolas. Cibic desenvolveu a sua pesquisa sobre novos modos de viver os espaços que se adaptam às novas formas de viver e que confrontam também as questões da emergência ambiental como incríveis ocasiões para redesenhar as nossas vidas e empreender processos de mutação. Segurança, paisagem, resíduos, reciclagem e modelos de consumo: são esses os fundamentos críticos que podem se tornar oportunidades. É este o desafio de "Rethinking happiness", um projeto de pesquisa que investiga novas possíveis comunidades, que por sua vez, divide-se em quatro projetos que confrontam diversos temas do território, apresentado, em 2010, na Bienal de Veneza; e de "Freedom Room", o projeto iniciado para criar, com os presidiários de Spoleto, novas unidades habitacionais mínimas e que já pensa além, ou seja, em encontrar uma solução à crescente necessidade nas grandes metrópoles como Nova York, Sidney e também São Paulo, de reduzir o espaço privado para ser capaz de "acompanhar o surgimento das áreas comuns de grande qualidade na variedade de funções e no nível de serviço" para fazer “surgir novos modelos de sustentabilidade energético e social”. ("11 idéias para a Itália")
Hoje, as atividades principais ocorrem em Milão para os projetos de arquitetura; e, em Vicenza, com CibicWorkshop, para o design e para a atividade de pesquisa, focada no desenvolvimento de novos tipos de projetos. Cibic também leciona na Domus Academy, no curso de Graduação em Desenho Industrial da Faculdade de Arquitetura do Politecnico de Milão e no curso de Graduação de Desenho Industrial da Faculdade de Design do Instituto Universitário de Arquitetura de Veneza. Ainda é professor honorário da Tongji University de Shangai.

MARCIO MANOEL DOS SANTOS Uma carreira construída na exportação de bens de consumo e de luxo, com 20 anos de experiência no setor da beleza e das fragrâncias para várias marcas importantes prestigiosas a nível mundial como Roberto Cavalli, Dolce&Gabbana, Gianfranco Ferré, Trussardi e Versace.
Marcio Manoel dos Santos é um executivo dinâmico com uma ampla experiência na abertura e desenvolvimento de novos mercados em todo o mundo, dentre os quais Ásia, Oriente Médio e Américas. Acompanhou as fases de lançamento e distribuição de alguns entre os mais famosos perfumes e linhas de beleza das mais importantes casas de moda, contribuindo para o seu sucesso e para a sua difusão nos mercados estratégicos. Expert de marketing internacional com um conhecimento profundo dos cenários culturais, econômicos e legislativos dos principais mercados em expansão com a capacidade de desenvolver oportunidades de negócios e relações que podem abrir novos cenários de consumo.
Marcio Manoel dos Santos no Festival dell’Economia Creativa – ITALIA S/A fará uma intervenção para uma reflexão de como o espaço varejista, o seu projeto, a sua localização ajudam na criação de valor para uma marca.

enrico cietta Economista, sócio sênior da Diomedea, é responsável pela Área de Estudos, idealizador do Festival dell’Economia Creativa, que surgiu com após seis anos de experiência de trabalho entre Diomedea e empresas brasileiras de moda e design. É formado pela Università Bocconi de Milão e tem um mestrado em Economia pela Victoria University of Manchester. Desde 2011 leciona fashion economics ao interno do mestrado "Luxury and fashion management" na business school do Il Sole 24 Ore em Milão.
Ele é um especialista em distritos industriais e indústrias criativas nas áreas da moda e design. Recentemente trabalha com a economia criativa e com o impacto dos serviços nos setores industriais. Em 2007 ele foi o curador para Assufficio a associação italiana que reúne os fabricantes de móveis de escritório, a pesquisa "Gli spazi, il contesto e le relazioni in cui si genera l’innovazione" ("Os espaços, o contexto e as relações nas quais se cria inovação"): é uma análise que lançou o progetto Ufficio Fabbrica Creativa, que tem atualmente Enrico Cietta como coordenador científico, que pesquisou a relação entre o espaço de trabalho e produtividade dos trabalhadores do conhecimento.
Ele desenvolver ainda mais o tema do espaço de trabalho e sua relação com a produtividade dos trabalhadores na economia criativa dentro da publicação " Investire nell’ufficio: come e perché" ("Investir no escritório: como e porquê") (2011), publicado pela Franco Angeli.
Em 2008, ele conduziu a pesquisa e o observatório sobre o fast fashion italiano, que depois foi fundido na publicação "La rivoluzione del fast fashion" ("A revolução do fast fashion). "Strategie e modelli organizzativi per competere nelle industrie ibride" (Estratégias e modelos organizativos para competir nas indústrias híbridas") (2009), publicado pela Franco Angeli e agora em sua quarta edição, a pesquisa difundida no Brasil sob o título A Revolução do Fast Fashion: estratégias e modelos organizativos para competir nas industrias hibridas" (2010) pubblicada pela Estação das Letras e Cores (São Paulo, Brasil), que está na segunda edição. Justamente no Brasil é considerado o principal especialista do fast fashion: apresenta-se regularmente em numerosos seminários e reuniões com empresários sobre questões de economia e modelos de negócios criativos, como fast fashion, que usam a economia criativa para aumentar a competitividade das empresas. Ele também colabora como colunista econômico para os setores da moda e design e com alguns jornais, incluindo o Il Sole 24 Ore, Libero, La Repubblica, Quotidiano Nazionale e algumas revistas do setor.